A MESS estuda texturas do contexto físico de materiais menosprezados, preconizando o reaproveitamento de materiais obsoletos ou outros resíduos, para criar as superfícies que depois produz artesanalmente. 

Usa o estímulo visual destas coisas esquecidas, desprezadas ou fora de prazo, para produzir acabamentos inovadores enquanto escolhas sustentáveis, aplicáveis na indústria da arquitetura e do design de interiores.

Começam por ser massas confusas que ganham forma através da combinação de pequenas displicências e negligências operadas a partir de imperfeições ou erros, numa 'sopa' automática mas nem sempre aleatória, de transparências e matéria opaca.

Há, no fundo, um pensar e um fazer que apontam para uma economia circular típica da reciclagem, com restos e aparas que sobram daqui e dali, tresmalhados, de certo modo desviantes; materiais reinventados a fim de inovar na imagem do espaço.

Mas na Mess, a ideia de sustentabilidade não passa apenas por reciclar; a qualidade do acabamento e resistência duradoura dos materiais também conta, tal como a proveniência nacional dos resíduos que recolhemos para o efeito.

"COSTU" | Azulejos padronizados com aparas de linhas / fios da indústria têxtil e pigmento acrílico, em massa transparente de bio-resina